Em meio ao cenário de incertezas trazidas pela pandemia da Covid-19, o setor cultural, principalmente o da música ao vivo, foi bastante atingido. Para entender melhor a situação das casas noturnas nesse período, entrevistamos pessoas envolvidas com alguns dos principais espaços para a música alternativa em Minas Gerais: Letícia Rezende, do Laboratório 96, de Uberaba, Leo Moraes, da A Autêntica, e Claudão Pilha, da A Obra, ambas em Belo Horizonte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *